Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais leia a nossa Política de Cookies.

Uma iniciativa

Fundação Santander

Em parceria

Correio da Manhã
cmTV
“São as pequenas coisas que trazem grandes transformações”

Educação para Todos

“São as pequenas coisas que trazem grandes transformações”

Publicado em 23 de Novembro de 2022 às 18:20

Sofia tem 22 anos e viajou da cidade de Guimarães até à capital para entrar na Universidade Nova de Lisboa. Primeiro em Ciências Musicais, na licenciatura, e depois em Jornalismo, no mestrado, contou com a Bolsa Santander Futuro para passar do sonho para a realidade.


O percurso de Sofia é igual ao de tantos e tantas estudantes: depois do ensino secundário, as oportunidades e as candidaturas ao ensino superior levam-na para Lisboa, a 370 km de casa. Na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, enveredou pela licenciatura de Ciências Musicais – uma paixão que vem de tenra idade – e, posteriormente, num mestrado em Jornalismo. Quisemos perceber como se interligam estas duas áreas para Sofia, bem como o papel da bolsa Santander Futuro no seu ensino.

O percurso de Sofia é igual ao de tantos e tantas estudantes: depois do ensino secundário, as oportunidades e as candidaturas ao ensino superior levam-na para Lisboa, a 370 km de casa. Na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, enveredou pela licenciatura de Ciências Musicais – uma paixão que vem de tenra idade – e, posteriormente, num mestrado em Jornalismo. Quisemos perceber como se interligam estas duas áreas para Sofia, bem como o papel da bolsa Santander Futuro no seu ensino.

Um percurso de sucesso

A paixão pela música vem desde muito jovem, com aulas de piano durante cinco anos, mas fez formação completa em canto, com o 8º grau. Em paralelo, conta- -nos, “gostava muito de escrever”, e assim se determinou o percurso académico em licenciatura e mestrado. O objetivo, resume, é o de “comunicar sobre arte e cultura em geral”, ainda que a música seja “a especialidade máxima”.

Com três irmãos, a vida familiar de Sofia sempre foi agitada, recordando a partilha de elementos essenciais para o percurso escolar, como o computador da mãe que tinham de alternar. Se, durante o ensino secundário, a biblioteca da escola era de visita recorrente, na universidade a necessidade agudizou-se e foi graças à bolsa Santander Futuro que conseguiu “um pé-de-meia” para comprar o portátil, numa altura muito peculiar: a pandemia. Confinada, com ensino à distância e uma licenciatura para concluir, a bolsa permitiu-lhe uma maior folga financeira para redefinir prioridades e investir no futuro. Da adolescência e da partilha com os irmãos, gosta “de ver o copo meio cheio” e acredita que trouxe “o poder de gestão” que ainda hoje a acompanha.

Bolsas que mudam vidas

Sofia encontrou as bolsas Santander Futuro por mero acaso, nas redes sociais, e todo o processo “foi fácil e superintuitivo” para a jovem. Um formulário e alguns documentos bastaram para Transformar a vida de Sofia, que acredita em iniciativas como esta para “compensar o fosso inicial entre os estudantes”, permitindo que aspirem “a uma sociedade melhor”.

“São as pequenas coisas que trazem grandes transformações”SITE_IMAGE_ALT_SUFFIX

A estudante de Jornalismo acredita “no mérito, acima de tudo”, e defende o papel da Fundação Santander em ajudar “na equidade entre estudantes”. Defende que, ainda que acredite na meritocracia, este não é um conceito linear: “Se as pessoas não partem do mesmo local, não se pode esperar que cheguem ao mesmo local.” No seu caso em particular, a bolsa “deu uma folga financeira, permitindo concentrar-me no que queria fazer”. As preocupações mais básicas de um estudante deslocado – “o passe, o supermercado, as propinas que não são nada baratas” – passam para segundo plano e é nos estudos que se concentra de forma mais afincada. O facto de a bolsa ser monetária permite “que o estudante a dirija para o que lhe for mais conveniente”, uma vez que “as necessidades, as condições financeiras e os problemas são diferentes” de pessoa para pessoa.

 O futuro de Sofia

Sofia antevê “um futuro brilhante”: o objetivo da estudante de Jornalismo, depois de terminar o mestrado, é o de “permitir a toda a gente o acesso à cultura” , algo que gostava “de instigar e melhorar na sociedade” portuguesa. Graças à bolsa Futuro Santander, o presente de Sofia faz-se no sentido de alargar horizontes. Quando a questionamos sobre o lema Transformar Vidas, e a associação à bolsa que ganhou, é perentória em afirmar: “Transformar vidas é algo muito lato e muito abrangente, mas são as pequenas coisas que trazem as grandes transformações.” Neste momento, os estudantes de 26 Instituições de Ensino Superior portuguesas podem inscrever-se nas Bolsas Santander Futuro. A convocatória está aberta até dia 11 de Dezembro.